11 de setembro de 2013

O lado bom da vida

Pat Peoples só tem merda na vida dele. Internado há anos numa clínica psiquiátrica, ele se dá conta do quanto perdeu quando perdeu a ex-mulher, sua Nikki, e faz tudo o que pode para que ela volte, embora nem se lembre o como é que ela foi embora.


  Cercado por uma família meio diferente (mesmo, não daqueles "diferentes" de série de TV) do que estamos acostumados, o cara tem que aproveitar a ajuda da sua mãe super gentil, do melhor irmão do mundo e de um pai, no mínimo, estressado. Além deles, Pat pode contar com seus melhores amigos, Ronnie e Danny (quase como opostos), com seu terapeuta e alguém que entende ele: outra "maluca", a Tiffany (você percebe que o mundo está ao contrário quando usa aspas para tornar literal um termo, santo Deus).

  O Pat é um cara realmente incrível. Quer dizer, ele sai de um hospital psiquiátrico, vai parar na casa dos pais, sofre negação e um monte de coisas que você vai vendo no decorrer da história - e que seriam belos spoillers - e ainda assim não sente vergonha de si mesmo. Se aceita, se conforma, muda tudo na sua vida (incluindo seu corpo) e o melhor de tudo: procura, incansavelmente, seu final feliz.

  Li o livro, praticamente, em uma manhã. Nunca tinha lido resenhas sobre ele e nem nada do mesmo autor, mas resolvi comprar assim mesmo porque todo mundo falava muito bem, embora eu não pesquisasse a fundo. Então, quando comprei o livro, eu achei que ia dar risada até fazer xixi nas calças. Não aconteceu. Há momentos bem engraçados, é verdade, mas a história não é de humor. É sobre superação, sobre força de vontade, sobre milagres, tentativas e erros. Em vários momentos o livro me deixou paralisada e eu fui incapaz de tirar os olhos das páginas, sem pular nenhuma frase, mesmo aquelas em que eu já esperava. Porque mesmo assim, depois de um livro inteiro esperando que a continuação das frases surgisse na minha cabeça, não aconteceu. Tudo me surpreendia e eu gostei dessa novidade.

  Algumas risadas vieram, tal como meus olhos se encheram de lágrimas com o desfecho, mas nenhuma delas escorreu. Acho que fiquei entorpecida (I've become so nuuuuuuuumb com a leitura, mas também não acho que isso seja um problema nem do livro nem do autor: acho que o papo é entre mim e minha maldição da expectativa.

 Pat é mesmo um personagem inesquecível (menos o nome, porque eu cismei que era Pad e tive que corrigir esse post umas três vezes), daqueles em que você se apaixona rapidinho. Ele comete erros, mas está disposto a concertar um por um, e com o tempo, você vê que é possível e até mais fácil do que você tinha imaginado, até que em algum momento vai começar a se perguntar o como fazer isso também.

 Uma coisa muito boba e agradável nesse livro foi o futebol. Nunca fiquei com tanta saudade de assistir uma final de campeonato na minha vida! Outra coisa que eu adorei e achei bem útil foi o lema do Pat de "praticar a gentileza" no lugar de ter razão. Acho que preciso aprender a fazer isso, tal como muita gente que eu conheço por aí.


O trailer parece bem mais engraçado do que o livro foi, o que me faz acreditar que ele
 não é tão fiel assim, mas mesmo assim vou assistir o filme assim que possível para comparar.

Acho que isso é spoiler, então só leia se já conhecer.

  Tudo o que eu esperava desse livro, é que Nikki estivesse morta. Foi assim que pensei do início ao fim, inclusive na troca de cartas com a Tiffany. Na verdade, essa história das cartas foi a única situação do livro em que eu o achei previsível, o que é muito bom, já que eu sempre banco a CSI por aí.

  Mas mesmo depois de todos aqueles episódios de Criminal Minds e afins, eu errei e agora, cinco minutos depois de digerir suas 250 páginas, eu acredito que esse erro foi a coisa mais estúpida do mundo. Quer dizer, Matthew Quick queria nos mostrar o como a vida é bondosa se formos com ela, então porque ele tiraria a vida de alguém?

--- x ---

E aí, já leu ou já viu o filme? Qual parte você mais gostou?

14 comentários:

  1. Muito ótima a resenha, já li o livro e em breve terá resenha lá no blog.

    Seguindo!
    Bjus!

    sonholiterario.blogspot.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Aguardo você vim me avisar!
      Seguindo de volta, (:

      Excluir
  2. Aaah... e gostei muito da parte que ela começa a ensaiar com ele *o* e mais legal ainda foi quando ela disse que não tinha nota, que era apenas apresentação ^^.

    sonholiterario.blogspot.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sério? Eu já tinha suspeitado de algo assim, por isso não me pescou tanto ):

      Excluir
  3. Eu li o livro e gostei pra caramba, mas o pat é muito idiota, af u-u kkkk, só não curti muito o filme :s

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tadinho, Pat é foda kkkkkkkkkkkkkkkk
      Não? Por que? D:
      To doida para ver ):

      Excluir
  4. Ja ouvi falar muito. Gosto de ver citações!

    juliamodelodemodelo.blogspot.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Nem coloquei elas separadinhas dessa vez, né? Falha minha, da próxima vez eu coloco!

      Excluir
  5. o livro parece ótimo! quero ler.
    aff, minha lista de livros que quero ler só aumenta!
    ¬¬
    adorei o post josy,
    beijos
    http://luaemfases.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Esse é o grande problema de ser blogueira! hahaha
      Obrigado!

      Excluir
  6. Muito legal a resenha e agora minha vontade de ler o livro aumentou ainda mais. :)

    quiscomentar.blogspot.com

    ResponderExcluir
  7. Ainda não assisti ao filme, nem li o livro... :(
    Mas quero muito ver e ler! O único problema é que quanto mais vejo resenhas, mais livro eu quero! rsrsrsrs Assim não tem bolso que aguente!
    Esperando ansiosa para ler!
    Beijinhos,
    Scar

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Nem vem, Scar. Como blogueira literária você devia era estar cansada de aceitar isso u.u

      Excluir